O FUTURO DA HUMANIDE - REFLEXÕES






domingo, 5 de agosto de 2012

0065 - VIDA ETERNA, PORQUE NÃO?


Observando a evolução da ciência e do conhecimento, sob o prisma da antropologia, adquiri  a  convicção  de que o domínio da ciência e do conhecimento,  sobre  a  morte, é apenas uma questão de tempo, mais alguns séculos. Creio que estamos nas últimas gerações a fazer a transição para a vida não terrena, através do processo tradicional (morte). Creio que no fim da evolução, quando tivermos adquirido o CONHECIMENTO ABSOLUTO, que estamos construindo lentamente, passo a passo, de geração a geração, essa transição ocorrerá de forma controlada e voluntária, sem traumas e sofrimentos.
Creio que o alicerce desta conquista está no avanço do conhecimento sobre o nosso genoma, sobre as células tronco, na evolução da tecnologia, do conhecimento científico em geral. Creio que, muito antes de adquirirmos a capacidade de nos desmaterializarmos, voluntariamente e, voltarmos à matéria novamente, teremos adquirido um domínio, ainda “primitivo”,  sobre a morte. Penso que dentro mais alguns séculos será possível copiarmos a nossa mente e consciência, em um super-hiper computador e transferi-la posteriormente para um corpo jovem, feito, possivelmente, apartir de uma única célula do nosso corpo velho. Vale lembrar que, hoje, já fazemos isso com vários tecidos humanos, inclusive ossos.
Nesse corpo jovem, sem nenhuma informação em seu cérebro, exceto as biológicas, seria reinstalada novamente a nossa mente e consciência, dando continuidade à vida de forma muito mais madura e interessante. Uma consciência, uma vida, uma experiência, por exemplo,  de 150 anos,  num corpo de 18 anos. Esta forma de driblar a morte  pode ser considerada uma possibilidade intermediária, anterior ao domínio total e eficaz  das  causas do envelhecimento do corpo original.
E, esse estágio  evolutivo  marcará uma mudança extremamente significativa no ritmo e na  forma de acumulação do conhecimento na espécie humana. Hoje lentamente, de geração à geração, perdendo-se quase totalmente com a morte, para  uma acumulação rápida, sempre nos mesmos indivíduos dentro de uma geração que não teria mais o fim, já que seus indivíduos não mais morreriam.
Vale lembrar que um estágio de desenvolvimento como este que cogito aqui, ainda está longe do CONHECIMENTO ABSOLUTO  (domínio total do TEMPO, do ESPAÇO e da MATÉRIA), absolutamente, necessário para a possibilidade da desmaterialização e materialização da mente e da consciência, necessária, para atingirmos o status dos “DEUSES”, ou o lugar onde habitam os “DEUSES”  ou “DEUS”  como queiram. 
Obviamente, não tenho conhecimento sobre estes e vários outros aspectos da ciência que possibilitarão esta conquista. Minha ferramenta de imaginação é a filosofia a história e a antropologia. Com base nestas três áreas do conhecimento consegui eliminar, para mim pelo menos, a dualidade " vida material  x vida espiritual".  Para mim existe uma realidade só. Uma quarta dimensão (possibilidade da vida fora da matéria), além das três já conhecidas (tempo espaço e matéria), que não conhecemos ainda, mas que somente  a evolução propiciada pela ciência e a tecnologia, o conhecimento do cosmos, do universo, poderão nos revelar. Portanto o que, hoje, chamamos de vida ou “realidade espiritual”, existe, mas, não é essa coisa mística e misteriosa que as religiões e os religiosos querem. É apenas uma forma, ainda não conhecida, de existência da consciência (nós mesmos), fora da matéria, ou na própria matéria, mas talvez em outro sistema solar ou em outra galáxia.  Creio que existe vida após a morte, entretanto, esta vida após a morte não tem nada a ver com mistérios, nem com aspectos do “sobrenatural”. Tem a ver apenas com conhecimento não desvelado, apenas com ciência não estudada ou desenvolvida.
Creio , também , que todos os contribuíram com suas, primitivas, existências e sacrifícios para essa epopeia evolutiva, não terão se perdido, foram e continuam sendo “salvos”, após a desmaterialização involuntária (morte), por aqueles que já  estão em um lugar onde o CONHECIMENTO ABSOLUTO já existe e, é a essência última de tudo, é o apogeu da ciência e do conhecimento, ou o que chamamos hoje, “religiosamente” falando, de PARAÍSO. O que não deixa de ser, de certa forma, uma verdade já que neste estágio do desenvolvimento do ser humano não existe mais, absolutamente, nenhum tipo de problemas, sofrimentos ou limitações existencial de quaisquer naturezas. É o estágio da perfeição e da felicidade absolutas, podemos dizer. Teremos acessado ao Status dos “DEUSES”, ou teremos acessado ao lugar onde habitam os “DEUSES”. Ao final, pela ODISSEIA evolutiva da ciência e do conhecimento da humanidade na terra. Em outras palavras, de certa forma, pelos nossos próprios méritos, retornamos às origens.                                                                             
                                                                         Antonio Ferreira Rosa