O FUTURO DA HUMANIDE - REFLEXÕES






sábado, 16 de abril de 2011

0002 - COMO ESCOLHER A PESSOA CERTA PARA O CASAMENTO?

              Escolher o par ideal para o casamento constitui um dos maiores desafios para as pessoas ao longo da vida e em especial no inicio da idade adulta, especialmente os adolescentes e os jovens. Possivelmente porque os fatores determinantes destas escolhas estejam ligados primeiramente apenas às questões biológicas e hormonais em detrimento à  aspectos e valores racionais como ética moral profissionalismo etc.
              Como, em fim, escolher certo para não se decepcionar e sofrer depois? Para não ver os investimentos, os sonhos e ilusões perdidos e transformados em profundos sofrimentos que se prolongam através relacionamentos desgastantes, terminando com separações às vezes litigiosas quando não trágicas? Uma receita perfeita para eliminar a possibilidade de fracasso obviamente não é conhecida, entretanto vamos sugerir quatro pontos a considerar que poderão ajudar e diminuir enormemente o risco do fracasso e da incompatibilidade nos relacionamentos. Os argumentos aqui considerados podem parecer ingênuos e óbvios para os adultos, mas, não para jovens e adolescentes. Consideremos que o relacionamento entre os casais seja como um edifício sustentado por quatro colunas, portanto como em um edifício de quatro colunas a remoção de apenas uma delas o levará ao chão à primeira tempestade:
               1 - Primeira coluna. No inicio do relacionamento observe se o parceiro (a) respeita o pai a mãe os irmãos mais velhos; observe o nível de relacionamento dele com a família através do tom das conversas e do dialogo entre eles. Observe se ele reverencia os pais, os avós, como seres importantes em sua vida e se expressa amor e respeito pelos mesmos. Se ele não vive com a família ou se nunca teve família procure através do diálogo fazer com que o mesmo externe seu conceito sobre o assunto. Observe seu grau de educação e polidez e a qualidade do seu vocabulário. Se o resultado da percepção for negativo, muito cuidado, quem não respeita pai e mãe quem não respeita nem valoriza a própria família, quem não tem educação e não da importância ao conceito de família, com certeza não irá te respeitar também e, portanto, não é pessoa indicada para formar uma família com você.
                
                 2 – Segunda coluna. Observe se o futuro parceiro (a) possui renda, trabalha, sabe quanto custa o dinheiro, ganha mais ou menos como você, participa do processo produtivo da sociedade.  Se for um desempregado (a) e vive à custa de alguém, está procurando, determinadamente, um emprego? É uma pessoa formada, preparada profissionalmente? Esta distribuindo currículos? Esta se preparando, obstinadamente, para um concurso? Ou não esta preocupado nem um pouco com estes aspectos? Se assim for e considerando a competitividade do mundo globalizado em que vivemos, precisa dizer o que se deve fazer? Como diz o ditado popular “paixão e beleza não põe mesa”. Nesta vida o sustento próprio já é difícil, imagine juntar-se a alguém que não contribui na formação do orçamento doméstico.
                  3 – terceira coluna. A relação com a espiritualidade, com as religiões com a ética e a moral é o terceiro aspecto a ser observado. Se a pessoa é religiosa verifique se não é fundamentalista e fanática. Se a pessoa não tem nenhuma religião, observar os aspectos éticos e morais que norteiam seus conceitos, pensamento e atitudes. O relacionamento com pessoas sem estes princípios, sendo ou não, religioso pode se tornar muito difícil, visto que costumam não medir conseqüências na defesa de seus interesses. A questão é como verificar a ausência destes princípios. Na fase bem inicial do relacionamento procure observar a visão da pessoa em relação a moral e a ética, observe seu comportamento e seus pontos de vista sobre suas relações interpessoais; seu ponto de vista sobre aspectos como caridade, solidariedade, amor e respeito às pessoas, aos animais, ao meio ambiente.  Verifique suas reações e posicionamentos frente aos grandes conflitos sociais e da humanidade em geral. É imporatante observar nesta terceira coluna a compatibilidade de pensamentos, dificilmente vai dar certo, o relacionamento de um Mulçumano e um Cristão ou, de um Ateu e um Espírita, assim por diante.
                    4 quarta coluna: A química, a atração física, o tesão, geralmente é a primeira e a única a ser observada, principalmente entre os mais jovens. Entre os mais velhos, estes aspectos perdem importância, na proporção que a idade aumenta. O importante a ser observado nesta quarta coluna é a reciprocidade. Os sentimentos da quarta coluna não podem ser unilaterais. Se assim for, há grandes possibilidades de se ter problemas, principalmente entre os mais jovens.
                    Construa o edifício do seu relacionamento com quatro colunas, faça uma boa escolha contando com a inteligência e a sabedoria que "Deus" lhe deu e, seja FELIZ!!!
  
                                                                                          
                                                                         Antonio Ferreira Rosa

3 comentários:

ADAMANTDOG disse...

Gostei do post mas não concordo muito com a terceira coluna !!! não esqueça que tem ateus qeu tem frutos morais e éticos muito melhores que este povo espiritualizado.

Antonio Ferreira Rosa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Antonio Ferreira Rosa disse...

Adamantdog.

Boa noite!

Valeu a observação, do jeito que coloquei da mesmo a impressão que voce teve. assim que der vou melhrar o texto.

É óbvio que não podemos vincular a falta de moral e ética ao teismo nem ateismo.

Na verdade o que eu quiz dizer é que não pode faltar as duas coisas na mesma pessoa.

Existe ateus que são gente fina pra caramba, são pesoas corretíssimas e, espiritualistas que não valem a sola do sapato. De antemão peço desculpas
aos ateus pela falha.

Obrigado.

Abraços

Antonioferreirarosa.blogspot.com